O perigo à porta da Santa Casa da Misericórdia da Trofa

por João Mendes 0

Há muitos anos, desde que me lembro, que entrar à estrada em frente à entrada da Estrutura Residencial para Idosos da Santa Casa da Misericórdia da Trofa (SCMT) – quem vem pela Rua Abade António Gonçalves Azevedo acima e quer virar para a Rua António Sousa Reis ou para a Rua Padre Alberto Pinheiro Machado – é uma aventura perigosa. A visibilidade para ambos os lados e quase nula, o trânsito, pelo menos de Segunda a Sexta, é intenso e a possibilidade de haver ali um acidente é real.

É possível que nunca tenha ali havido um acidente, não faço a mínima ideia. Mas também é perfeitamente possível que venha a acontecer. E quem já por ali passou a conduzir sabe perfeitamente do que falo. É uma entrada perigosa. Admira-me, aliás, que em tantos anos de existência dos Lares “Imaculada Conceição” e “Alfredo Carriço”, local de passagem ocasional de vários políticos em funções, autarcas e candidatos em campanha, a quem no fundo compete resolver estas coisas, ou pelo menos estar atentos a elas, pouco se tenha feito a este respeito.

Pois bem, a entrada é perigosa, mas o problema, a meu ver, é relativamente fácil de resolver. Em primeiro lugar, a colocação de lombas em ambos os sentidos – que já ali existiram, mas que por algum motivo, ao qual sou alheio, acabaram por desaparecer, ficando apenas uns quantos buracos – imediatamente antes da curva e do cruzamento em frente à entrada da SCMT, contribuiria para a diminuição da velocidade de circulação dos veículos, com as vantagens óbvias que isso traz.

Por outro lado, o espelho convexo que existe no local (marcado com uma seta vermelha no mapa em baixo) está posicionado de uma forma que pouco ou nada permite visualizar as viaturas que sobem a rua António Sousa Reis em direcção à SCMT. Não sei se a solução passará por recolocar o espelho alguns metros para a sua esquerda, se por ter não um, mas dois espelhos convexos, mas estou convencido de que, como está, não está bem.

Acredito que estas duas sugestões não resolvam totalmente este problema, dadas as condições manhosas daquela intercepção, mas parece-me uma evolução positiva face à situação actual. E a intervenção para as implementar, aposto, não deve custar muito mais que umas poucas centenas de euros. Ficam as minhas humildes sugestões para os senhores que, entre outros poderes, têm o poder de colocar ou influenciar a colocação de sinalização rodoviária nas nossas ruas. E a sugestão adicional de darem uma volta pelo concelho. Porque esta não é uma situação isolada.

João Mendes

Radicalmente contra todas as formas de instrumentalização dos recursos públicos em função dos apetites partidários e com um apetite insaciável pela desconstrução de mentiras e outros embustes que nos são diariamente oferecidos pelas elites dirigentes, a minha luta é por um concelho da Trofa mais transparente, mais íntegro e no sentido da evolução contínua, onde o poder cuja função é servir-nos pode e deve ser questionado. Das pessoas para as pessoas, sem medo nem clientelas.

Comentários

Deixar um comentário

Faça Login para comentar.