Concelho da Trofa: não foi fácil

por José Maria Moreira da Silva 0

Foram muitas as gerações que sonharam e lutaram, para que fosse criado um novo Concelho, desde a década de 30 do século XIX até finais do século XX, para que a realidade homogénea, em termos geográficos, culturais, históricos e sociológicos, do conjunto de oito freguesias desagregadas da Maia, primeiro por força da Divisão Judicial, em 7 de agosto de 1835 integradas no Julgado de Santo Tirso e, pouco tempo depois, em consequência da nova Divisão Administrativa, de 6 de novembro de 1836 agregadas no então criado Concelho de Santo Tirso, se tornassem independentes.

Grande parte da região que hoje pertence ao Concelho da Maia pertenceu desde sempre à denominada Terra da Maia, que foi habitada desde os tempos pré-históricos. Nos meados do século XIII estendia-se das margens do Rio Leça ao Rio Ave, das costas do mar até às serras de Valongo e da Agrela.

Quando se deram as invasões francesas, na primeira década do século XIX, a hostilidade dos portugueses aos franceses foi uma constante ao longo do percurso por onde passavam, mas a grande oposição que as tropas gaulesas tiveram foi na Trofa. A luta contra os invasores franceses fortaleceu o espirito trofense e quando foi efetuada, a desagregação das oito freguesias da região da Trofa foram muitos os requerimentos contra a referida desagregação, subscritos por diversos habitantes das freguesias retiradas do Concelho da Maia, para serem agregadas ao então criado Concelho de Santo Tirso.

O sonho da criação do Concelho da Trofa passou de geração em geração, nunca morreu, nunca chegou a «enferrujar» e raramente esmoreceu. Demorou muitos, mas mesmo muitos anos até que a «carta de alforria» foi conseguida, eram 17h 55m, do famoso dia 19 de novembro de 1998, para gaudio da grande maioria dos trofenses.

O povo trofense tinha mandatado os elementos que constituíram a Comissão Promotora do Concelho da Trofa (os seus nomes até foram sufragados em Assembleias de Freguesia eleitas pelos trofenses), para um único objetivo: a criação do Concelho da Trofa. E conseguiram!

É por isso, que os elementos da Comissão Promotora do Concelho da Trofa podem, e devem ser considerados os «verdadeiros» pais do Concelho da Trofa. Merecidamente!

Não foi fácil a criação do Concelho da Trofa, pois em quatro décadas de democracia, só foi criado o Concelho da Amadora (1979) e no final do século XX, no mesmo ano de 1998, o Concelho de Vizela e depois os Concelhos de Odivelas e Trofa. Atente-se também ao facto, de que em duas décadas passadas da criação do Concelho da Trofa, não foi criado mais nenhum concelho em Portugal. Valeu a pena!

 

(originalmente publicado no jornal O Notícias da Trofa)

José Maria Moreira da Silva

A liberdade é muito mais que uma simples escolha; ela alimenta os sonhos dos que não têm medo ou preguiça de sonhar. É a possibilidade de usar a razão, em concordância com o nosso pensamento.

Quero aproveitar este espaço de liberdade, para ser livremente livre naquilo que penso e escrevo, sem qualquer tipo de medos ou amarras.

Comentários

Deixar um comentário

Faça Login para comentar.