Manipulação: a propaganda que nos vendem e o mundo real – Parte I: Partidos Irmãos

por João Mendes 0

Para quem acompanha os temas políticos da nossa terra não constituirá novidade que por baixo do verniz protocolar que caracteriza a comunicação política das estruturas locais do PS e PSD existe uma rede de partilha de informação não-oficial levada a cabo por militantes fora dos órgãos autárquicos (e alguns titulares desses mesmos órgãos), “assessorados” por verdadeiros exércitos anónimos que afirmam ser independentes e defender a verdade, quando na realidade não passam de ferramentas cobardes que permitem que outros cobardes façam o trabalho sujo sem sujar a imagem do partido. Custa-me a perceber que a maioria destas pessoas não tenha ainda entendido a era em que vive e que se preste a certas figuras ridículas.

Existe, portanto, uma linha que separa a comunicação oficial dos esquemas anónimos.Uma linha demasiado ténue que facilmente deixa cair a máscara das reais intenções que se escondem por trás de algum populismo patriótico que não passa disso mesmo. É uma história que conheço bem de anos de debate político nos blogues das estruturas da JSD e JS em que os esquemas tinham tanto de constantes como de patéticos e que podiam ir desde a “fábula” do suposto independente que tinha votado no partido no poder, mas que depois tinha descoberto a luz na oposição e que se sentia ultrajado por ter desperdiçado o seu voto, até aos comentários cuja aprovação era feita em simultâneo com respostas a esses mesmos comentários feitos por ilustres anónimos que, aparentemente, tinham a capacidade de adivinhar e responder a intervenções que ainda não eram públicas. Isto explica em parte o porquê de ambos os blogues se encontrarem hoje às moscas.

Outra hipocrisia recorrente tem a ver a divulgação de notícias sobre determinadas questões que colocam os dois partidos irmãos em cheque. É recorrente vermos membros de ambos os partidos a publicarem notícias sobre falhas e problemas dos seus adversários sob a bandeira da transparência e do interesse do concelho quando na realidade o seu único objectivo é denegrir os seus adversários. Existem imensos exemplos, mas convido-vos a uma rápida pesquisa nos blogues das estruturas e facebooks dos seus integrantes para perceberem a forma como o PS/JS reagem a toda a qualquer notícia negativa que é emitida sobre Bernardino Vasconcelos em contraste com o seu silencio absoluto face a iguais notícias que visem Joana Lima. Claro que o inverso acontece na exacta mesma proporção. Se alguém acha que tal comportamento tem outro objectivo que não seja enfraquecer politicamente os seus adversários então esse alguém é pura e simplesmente ingénuo.

Podemos, então, concluir que a luta furiosa pelo poder leva a um acentuado défice de imparcialidade por parte da esmagadora maioria destes agentes que colocam os seus conflitos à frente dos interesses reais da comunidade trofense, num acto de irresponsabilidade e de falta de honestidade relativamente à postura a que normalmente nos habituam durante os períodos eleitorais. Um acto que, em última análise, impede consensos e nos prejudica a todos sem excepção. É também nesta luta que encontramos muitas das respostas para o actual linchamento público de algumas figuras ligadas ao actual executivo (tal como aconteceu, em sentido inverso, durante o anterior) e a exploração que está a ser feita do incidente ocorrido nas recentes eleições internas do PS.Os métodos são sempre os mesmos, os prejudicados também e os responsáveis, esses apenas se preocupam com o poder. Alguns deles são capazes de tudo para lá chegar ou para o manter.

É, portanto, fundamental que nos mantenhamos informados para que não sejamos enganados por estes esquemas rasteiros. A propaganda destes senhores não é o mundo real, é apenas uma deturpação que nos pretendem vender. Esta sequência de 7 artigos que hoje inicio pretende precisamente desmontar alguns destes esquemas e, a luz dos mesmos, provar por A mais B que tal prática é transversal a ambos os lados da barricada do centrão trofense. Espero que tal seja tão elucidativo para vocês como o é para mim.

João Mendes

Radicalmente contra todas as formas de instrumentalização dos recursos públicos em função dos apetites partidários e com um apetite insaciável pela desconstrução de mentiras e outros embustes que nos são diariamente oferecidos pelas elites dirigentes, a minha luta é por um concelho da Trofa mais transparente, mais íntegro e no sentido da evolução contínua, onde o poder cuja função é servir-nos pode e deve ser questionado. Das pessoas para as pessoas, sem medo nem clientelas.

Comentários

Deixar um comentário

Faça Login para comentar.