Trofa Online: os plágios, a censura, os insultos e as ligações ao poder

por João Mendes 0

No início da semana que termina, a minha amiga e co-fundadora deste espaço foi alvo de censura por parte de uma entidade que se auto-intitula de jornal, apesar de não passar de uma página de Facebook, que não só censurou o seu comentário, isto apesar de imediatamente seguir o conselho da Silvéria e corrigir um dos erros ortográficos apontados, como a bloqueou. Tudo isto aconteceu pouco depois da publicação dos estatutos editoriais desta página de Facebook que contrariam a acção de quem a dirige em múltiplos aspectos, como tratarei de provar mais à frente.

Indignado, questionei directamente o director desta página, Ricardo Teixeira, que se apressou a passar as culpas para outro elemento da sua equipa de forma esfarrapada, tendo posteriormente desbloqueado novamente a conta da Silvéria. Não obstante, horas mais tarde, também o meu comentário, na publicação dos estatutos editoriais da página, foi censurado.

Seguiu-se uma conversa em que diferentes assuntos foram abordados. Mas, e porque achei toda esta história muito estranha, decidi percorrer, com atenção, o mural da página Trofa Online. E o que encontrei? Plágios, opiniões favoráveis ao executivo camarário, mascaradas de informação isenta e notícias de acidentes, a especialidade desta página e um dos únicos conteúdos que parece efectivamente sair dos teclados do Trofa Online. Abundam os plágios (ver abaixo) de jornais como o JN, a SIC Notícias ou o Negócios, e da página da CM da Trofa, sem nunca haver uma referência, sem aspas e sem uma fonte. Copiar, colar e acrescentar o hashtag da página como se os conteúdos fossem da sua autoria. Deontologia e ética jornalística não têm ali lugar. Tal como os jornalistas, categoria profissional que, pelo que pude apurar, também não existe no Trofa Online. Curiosamente, ou talvez não, hoje surgiram algumas publicações com direito a fonte de onde foram copiadas. E isso é o suficiente para demonstrar que a Silvéria tinha razão no que toca a plágios. Não obstante, hoje mesmo foi publicado novo plágio de uma peça do JN que o caro leitor poderá ver em baixo.

Mas o que mais me impressionou foi a forma aberta como esta página promove o executivo PSD/CDS-PP. Usando conteúdos que parecem saídos do gabinete de comunicação da coligação, a Trofa Online publica textos que ninguém assina, afastando a possibilidade de se tratar de um artigo de opinião (algo que, até á data, não teve ainda lugar nesta página), o que induz deliberadamente o leitor em erro, que poderá pensar estar perante informação isenta e objectiva, quando na realidade está apenas a ser bombardeado com propaganda. Um truque de manipulação da opinião pública antigo que contraria os tais estatutos editoriais já mencionados.

Se dúvidas restassem, a ligação ao poder tornou-se, para mim, inequívoca. Resta saber quem no poder procura a Trofa Online e com que objectivo. Será que para plantar as opiniões mascaradas de notícias que apresento mais abaixo? E não será isso uma manipulação da opinião pública, um comportamento fraudulento deliberado, destinado a iludir e enganar os trofenses? Querem fazer fretes? Assumam-no, estão no seu direito. Nem queiram é fazer os outros de parvos e fazer-se passar por independentes.

Na sequência do texto da Silvéria, elementos da Trofa Online e, quiçá, com a ajuda dos seus poderosos amigos, soltaram a cavalaria sobre a Silvéria. Rapidamente surgiram também perfis falsos (já vimos este filme), imediatamente desmascarados, que a insultaram, usaram aldrabices e manipulações tão rascas como fáceis de desmontar para a tentar denegrir e desvirtuar a sua clara opinião, e chegaram mesmo a tecer comentários depreciativos sobre o seu aspecto físico e a dirigir-lhe ameaças, o que é ilustrativo do nível rasca e ordinário a que alguns descem, e tudo isto com a participação de outros membros da equipa da Trofa Online, que se juntaram alegremente ao coro de insultos e mentiras.

Infelizmente, não me parece que isto fique por aqui. Os perfis falsos tenderão a continuar a dar o ar da sua graça e os ataques pessoais não vão parar. Contudo, e na evidente falta de argumentos racionais, poderão tentar vasculhar a nossa vida pessoal, atacar pessoas próximas de nós ou usar a cobardia do anonimato para dizer aquilo que não têm coragem de assumir. Assim foi no passado, assim continuará a ser. Algumas pessoas nunca olham a meios. Mas de pouco lhes adiantará. Venham daí os cobardes, as ameaças, os insultos, os ataques à vida privada e a manipulação descarada da população trofense. Aguentamos com gente assim no passado, não teremos problema nenhum em aguentar agora. Nós vivemos de consciência tranquila e, espantem-se, também sabemos umas coisas. Outros continuam presos às tácticas podres do passado. Pena que os peões não percebam que, tal como outros no passado, serão descartados quando deixarem de ter utilidade.

Cartoon: Paulo Barbosa@Agência Totem

Plágios

Original Jornal de Notícias (05.09.16)

Plágio Trofa Online

Orignal SIC Notícias (06.09.16)

Plágio Trofa Online

Original Jornal de Negócios (07.09.16)

Plágio Trofa Online

Original Jornal de Notícias (12.09.16)

Plágio Trofa Online

Original Jornal de Negócios (16.09.16)

Plágio Trofa Online

 

OPINIÕES FAVORÁVEIS AO EXECUTIVO PSD/CDS-PP MASCARADAS DE INFORMAÇÃO ISENTA

João Mendes

Radicalmente contra todas as formas de instrumentalização dos recursos públicos em função dos apetites partidários e com um apetite insaciável pela desconstrução de mentiras e outros embustes que nos são diariamente oferecidos pelas elites dirigentes, a minha luta é por um concelho da Trofa mais transparente, mais íntegro e no sentido da evolução contínua, onde o poder cuja função é servir-nos pode e deve ser questionado. Das pessoas para as pessoas, sem medo nem clientelas.

Comentários

Deixar um comentário

Faça Login para comentar.