Estará o PSD Trofa a gozar com a nossa cara?

por João Mendes 0

Houve um tempo em que perdia tempo a dissecar comunicados que os dois maiores partidos trofenses e respectivas jotas tanto gostam de emitir. Felizmente, não demorei muito até perceber a inutilidade de tal tarefa: os comunicados, sejam do PSD, sejam do PS, acabam por ser todos iguais. Todos. Não me refiro ao tema, claro, que deve ser das poucas coisas que vai diferindo, mas à forma. E essa forma tem uma receita bem simples, onde pode variar um ou outro ingrediente: factos deturpados, incapacidade de assumir responsabilidade e erros, hipocrisia, desespero político, desrespeito pelos munícipes e doses industriais de cegueira partidária. Leva-se ao forno durante quatro anos, acrescenta-se uma pitadinha de desonestidade e cobre-se tudo com uma camada bem espessa de eleitoralismo. Et voilà! Está pronto a servir.

O mais recente comunicado do PSD Trofa segue a receita, ainda que nem todos os ingredientes possam estar presentes, e não traz nada de novo, limitando-se apenas a servir o seu propósito nesta fase de pré-pré-campanha. Contudo, e porque talvez se tenha exagerado nas quantidades de cegueira partidária e hipocrisia, o autor do comunicado, neste caso a estrutura concelhia social-democrata, sujeita-se a um papel algo triste.

Sim, é verdade, o PS Trofa não tem moral para falar sobre a obra do Parque das Azenhas. Sobre isso, e é com muito orgulho que me recordo dos primórdios deste blogue, assumo, sem grandes rodeios ou falsas modéstias, que fomos nós, a Silvéria e eu, quem em 2013 esteve na linha da frente a denunciar este caso e a apresentar aos trofenses a vergonhosa inauguração eleitoralista da obra, o que nos garantiu acusações de estar a soldo do PSD e inúmeras partilhas de apoiantes do actual executivo, muitos deles os tais hipócritas fanáticos que hoje nos acusam de estar a soldo do PS.  Pelo que a nossa imparcialidade, neste tema, está acima de qualquer outro interesse ou intenção que não a de zelar pelo superior interesse do concelho. Não mudamos de opinião em função de jogos partidários.

E é também por não ter poupado nas palavras em 2013 que não posso agora ter atitude diferente. Aquilo que é dito no ponto 3 do comunicado do PSD, nomeadamente quando se faz alusão às “fortunas” gastas na inauguração do Parque das Azenhas, só pode ser brincadeira. Porque vir falar da falta de moral do PS para se indignar com a situação do Parque das Azenhas e ter o moral de falar em “fortunas” gastas em inaugurações, depois da inauguração da obra dos parques ter custado 120 mil euros, só pode mesmo ser brincadeira. Estarão a gozar com a nossa cara?

Em bom rigor, a inauguração da obra dos parques Nossa Senhora das Dores/Dr. Lima Carneiro não custou mesmo 120 mil euros. Se é para ser rigoroso, importa referir que os dois ajustes directos relacionados com o evento – e que grande evento, tão grande que levou para casa o Prémio Evento do Ano do conhecido blogue Má Despesa Públicatotalizaram 97.133,56€ + IVA, fixando-se nos 119.474,28€. Dá para dois Be Lives e ainda sobra. E, já agora, a inauguração do Parque das Azenhas custou 32 mil euros, quase um quarto do valor pago pela inauguração dos parques. Se a inauguração do Parque das Azenhas custou "fortunas", que dizer da inauguração da obra dos parques? Que comédia!

Outras questões poderiam ser aqui levantadas sobre esta inauguração. Questões sobre as quais já aqui falei e que, apesar de polémicas, não me parecem relevantes para este caso específico. O que aqui importa, a meu ver, é observar a desfaçatez com que algumas pessoas gozam com a nossa cara, como se não tivéssemos memória. A ironia de assistir a este desastre de comunicação, que de resto passaria bem sem a referência às “fortunas” gastas na inauguração, já que a força deste argumento reside essencialmente no facto de estarmos perante uma inauguração eleitoralista e irresponsável de uma obra que não estava concluída para fazer bonito com o líder do partido, apenas para lhe acrescentar um toque de lirismo. E a cereja no topo da coisa? Aquela passagem onde o comunicado afirma que os trofenses não são “pessoas de curta memória”. Pois não. Daí não se perceberem as motivações da direcção da concelhia do PSD para se prestar a este papel. A política é um lugar estranho.

P.S: Sabem que obra é que também estava incompleta quando foi inaugurada? Isso mesmo: os parques Nossa Senhora das Dores/Dr. Lima Carneiro. 

Comunicado via Facebook PSD Trofa

João Mendes

Radicalmente contra todas as formas de instrumentalização dos recursos públicos em função dos apetites partidários e com um apetite insaciável pela desconstrução de mentiras e outros embustes que nos são diariamente oferecidos pelas elites dirigentes, a minha luta é por um concelho da Trofa mais transparente, mais íntegro e no sentido da evolução contínua, onde o poder cuja função é servir-nos pode e deve ser questionado. Das pessoas para as pessoas, sem medo nem clientelas.

Comentários

Deixar um comentário

Faça Login para comentar.