O Clube Slotcar da Trofa não joga o jogo dos canalhas. Trabalha.

por João Mendes 0

Hoje será mais um grande dia para o Clube Slotcar da Trofa. A partir das 16h, a iniciativa Ler Custa Muito Pouco junta escritores e aficionados à volta da importância da leitura, esse poderoso haltere para o músculo cerebral. O momento marca um novo impulso dado ao projecto de book swaping, lançado em Fevereiro de 2015, com novas dinâmicas e muitos mais livros. Um projecto que envolveu várias pessoas, entre eles dois habitantes desta casa que dispensam apresentações: Silvéria Miranda e César Alves.

Mais tarde, a partir das 22h, chega a vez do 4º round da segunda edição do projecto Slotcar Sounds, uma iniciativa que procura dar palco aos músicos trofenses e que, desde Março, teve a honra de receber os Sidewings, os Brendren Soul, os Disposable Trust e que, no mês de Maio, irá contar com a presença dos Sleeping Forest e dos Bocazaparte, que regressam ao Clube após terem disputado a final do Garage Sounds, o concurso de bandas que organizamos no Verão de 2015, e que marcarão presença na edição deste ano do Be Live. Mas hoje é a vez dos Cão Voador, banda que reúne alguns dos mais experientes e competentes músicos que o concelho da Trofa viu nascer. Voaram em projectos como Ectovult e Pinhead, marcaram uma década em que o rock era a lei e juntaram-se, anos mais tarde, para dar vida a um cão que também voa. Seja num dos muitos bares e casas de espectáculos por onde têm passado, seja em parceria com os geniais Meninos Cantores, seja integrados na fantástica Orquestra Urbana, os Cão Voador não brincam em serviço e são um fenómeno que vale a pena acompanhar.

Mas isto é apenas o dia de hoje. É que, nas últimas semanas, temos andado pelas escolas do concelho a distribuir gratuitamente milhares de exemplares d’As Histórias do Trofi, um livro de contos para crianças focado na transmissão de valores éticos, morais e de cidadania, que tem tido uma fantástica receptividade da parte da comunidade escolar. Temos promovido conferências subordinadas a diferentes temas, organizado lan parties que se prolongam pela noite dentro, estamos a preparar um raid fotográfico, um concurso de beleza e muitas outras actividades e iniciativas, que a seu tempo serão anunciadas. Não paramos e, ao contrário de certos oportunistas, não intensificamos a nossa actividade em tempo de eleições. Não só porque não nos dizem respeito e porque nos estamos nas tintas para elas, mas principalmente porque o nosso compromisso para com a comunidade trofense não depende minimamente do jogo de tronos protagonizado pelas elites sedentas de poder e negociatas.

E porque raio decidi eu “estragar” este texto sobre a fabulosa actividade do Clube Slotcar da Trofa com esta referência? Simples: porque certos canalhas, alguns deles beneficiários de tachos suportados pelos nossos impostos, decidiram atacar e difamar a nossa associação. E porquê? Porque existe quem, no interior da mesma, tenha a sua opinião sobre temas que, entendem certos fascistas disfarçados de democratas, incomodam determinado poder que não pode ser questionado. Um poder absoluto com odor salazarento que não tolera a crítica, que a procura censurar e que instrumentaliza testas-de-ferro para ataques pessoais e ameaças veladas à nossa associação. Claro que, vindo de certos imbecis, com historial de dependências graves, negócios ilícitos, violência sobre a própria família e despedimentos por má conduta não aceitamos lições de moral. Aliás, assistimos, divertidos, ao triste espectáculo que tais moços de recados, quais carrinhos telecomandados, dão. Mas sabemos que está por trás deles. Quem paga, com que dinheiro, quem escreve e sob a tutela de quem. E todos eles, incluindo a extrema-direita envergonhada e escondida por detrás de ideologias de fachada, terão o seu momento. Um momento em que a sua máscara, como outras antes desta, acabará por cair. E esses, como outros passageiros, acabarão por seguir o seu caminho, seja ele qual for, de preferência, pelo menos para alguns, atrás das grades. Nós cá continuaremos, por mais 13, 26 ou 39 anos, a reforçar a Trofa sem pedir nada em troca. O prazer e o orgulho de fazer continuarão a ser mais do que suficiente. Talvez seja por isso que esses canalhas nos odeiam e nos tentam fazer a vida negra, porque tudo seria mais fácil se jogássemos o jogo deles. 

João Mendes

Radicalmente contra todas as formas de instrumentalização dos recursos públicos em função dos apetites partidários e com um apetite insaciável pela desconstrução de mentiras e outros embustes que nos são diariamente oferecidos pelas elites dirigentes, a minha luta é por um concelho da Trofa mais transparente, mais íntegro e no sentido da evolução contínua, onde o poder cuja função é servir-nos pode e deve ser questionado. Das pessoas para as pessoas, sem medo nem clientelas.

Comentários

Deixar um comentário

Faça Login para comentar.