Sem medo nem clientelas. Por Abril!

por João Mendes 0

A revolução que hoje celebramos – nem todos, é certo – é uma excelente oportunidade para reflectir sobre a Liberdade conquistada e sobre os obstáculos que ela enfrenta, também aqui, no nosso concelho. Até Abril de 74, projectos como este blogue seriam alvo de censura e perseguição, algo que de resto não anda muito longe da verdade, apesar do insucesso dos fascistas com pele de democratas.

Hoje, 43 anos após a revolução, ainda existem motivos de preocupação para quem defende a Liberdade. Para quem defende a Liberdade e para quem ousa contestar a gestão autárquica, como se ela fosse imune à crítica. Como se quem hoje se encontra no poder não o tivesse igualmente feito no passado. Como se a liberdade de expressão fosse um exclusivo de uma pequena casta a quem tudo é permitido. Como se não vivêssemos nós em democracia.

Quando este blogue viu a luz do dia, era Joana Lima a autarca em funções, muitas foram as críticas que lhe foram dirigidas. Críticas baseadas em factos concretos e não em boatos ou panfletismo cobarde, modus operandi dos canalhas. Daquele tempo, que na essência não difere muito do tempo actual, guardo várias recordações, devidamente armazenadas, porque era mais do que expectável o que viria a acontecer. Os elogios, a partilhas e os gostos nas redes sociais, as citações e as mensagens de apoio chegavam-nos, essencialmente, de muitos daqueles que hoje insultam e denigrem o trabalho desenvolvido por alguns autores desta casa. Que nos acusam de ser do contra quando apoiavam diariamente críticas idênticas àquelas que hoje não toleram. Que nos acusam de perseguir este executivo quando aplaudiam “perseguições” idênticas aos seus antecessores. Que nos acusam de apenas “dizer mal” do regime “humbertista”, mas que não se ensaiavam nada para apoiar e legitimar o “dizer mal” do “joanismo”. Apesar dos vários elogios aqui feitos ao actual executivo e dos quase nenhuns feitos aos seus antecessores. Um dia destes, antes das eleições, terei oportunidade de contar essa história, sem boatos ou especulações, mas antes com provas concretas, como é costume por estas bandas. Nesse dia, espero que corem de vergonha. E que ganhem alguma na cara.

Hoje, o …e a Trofa é minha é persona non grata para a esmagadora maioria destas pessoas. Porque mudou? Não, precisamente porque não mudou. Porque continua a colocar os interesses da Trofa à frente de guerrinhas partidárias que para nada nos interessam. Porque, tal como era nosso apanágio durante o executivo socialista, não nos inibimos de dizer o que pensamos nem nos intimidamos perante as ameaças ou os abusos de poder. Porque temos a coragem de desconstruir negócios nebulosos com ajustes directos e amigos ao barulho. Porque temos a coragem de denunciar a asfixia democrática de um executivo que boicota o trabalho d’O Notícias da Trofa e trata o Correio da Trofa como um dos seus, apesar das ilegalidades, ou não fosse ele um produto da campanha eleitoral do executivo. Porque temos a coragem de dissecar o que se passa nos bastidores de uma instituição poderosa e influente como o Clube Desportivo Trofense. Porque nos damos ao trabalho de desmontar a propaganda, doa a quem doer.

Por tudo isto, e porque seguiremos fiéis aos nossos princípios, celebramos Abril com coragem de quem assume o direito de esmiuçar a realidade política e social do nosso concelho, sem medo nem clientelas. Para os apaniguados do actual regime e respectiva claque, éramos uns heróis quando confrontávamos o anterior executivo, somos uns demónios por confrontar o actual. E hoje acusam-nos de estar ao serviço do PS com a mesma originalidade que os apaniguados do antigo regime e respectiva claque nos acusaram de estar ao serviço do PSD. Mas não podemos perder tempo ou sono com imbecilidades de indivíduos com a espinha dorsal de um caracol. Até porque a mesma Liberdade que me permite a mim e aos meus colegas criticar ou elogiar a gestão autárquica, permite a outros serem troca-tintas e fazerem figuras de parvos a criar boatos, a difamar com base em mentiras e a afirmar uma democracia que não querem nem respeitam. Apesar dos fascistas, o blogue …e a Trofa é minha por cá continuará, inspirado pelo exemplo corajoso dos Capitães, a lutar por mais transparência e menos manipulação. Por mais Liberdade. Por Abril.

Foto: José Sena Goulão/Lusa@Radio Renascença

João Mendes

Radicalmente contra todas as formas de instrumentalização dos recursos públicos em função dos apetites partidários e com um apetite insaciável pela desconstrução de mentiras e outros embustes que nos são diariamente oferecidos pelas elites dirigentes, a minha luta é por um concelho da Trofa mais transparente, mais íntegro e no sentido da evolução contínua, onde o poder cuja função é servir-nos pode e deve ser questionado. Das pessoas para as pessoas, sem medo nem clientelas.

Comentários

Deixar um comentário

Faça Login para comentar.