Serviços públicos só para alguns

por João Mendes 0

Recentemente, dei por mim a precisar de um documento, que segundo me informei teria que ser requerido na Loja do Cidadão que existe no Centro Comercial da Vinha. Qual não foi o meu espanto – por acaso até nem foi assim muito, até porque já sei o que a casa gasta, e nem me refiro especificamente à Trofa, mas a generalidade do país – quando descubro que o horário de funcionamento deste serviço público é das 09h às 16:30h e apenas nos dias úteis. Fiquei a pensar que, se calhar, este horário de funcionamento foi pensado para estudantes, desempregados, reformados e pessoas que não fazem nada da vida. Para quem trabalha não terá sido, pelo menos para quem, como eu, tem horário das 09h às 18h. 

Questionei-me se seria assim em todo o lado, ou se seria um problema exclusivo da Trofa. Conclui que não é, ainda que, na nossa vizinhança, existam opções mais funcionais para quem tem horários de trabalho mais rígidos. Por exemplo em Famalicão, onde o Espaço do Cidadão de Joane funciona até às 18:30h de Segunda a Quinta. Reparem bem: uma freguesia famalicense, com menos população que a freguesia do Coronado, providencia um serviço mais funcional que a Loja do Cidadão que temos na capital administrativa do concelho, que tem mais do dobro da população de Joane..

Poder-me-ão dizer que a generalidade destes serviços está aberta durante a hora do almoço, o que permite a quem trabalha perto usar essa hora para se deslocar até à Loja do Cidadão. É o meu caso, mas não o de milhares de trofenses que trabalham fora do concelho. Porém, a minha hora de almoço, e imagino que a da maioria dos trofenses que trabalha, serve para almoçar, refeição que convém não ser esquecida, e o tempo que resta, com trânsito, estacionamento e a eventualidade de estarem lá mais 5 ou 10 pessoas nas mesmas condições que nós, faz com que a hora do almoço não seja suficiente. Se é para gastar tempo, combustível, dinheiro e voltar para trás de mãos a abanar, mais vale estar quieto.

Ouço muitas vezes dizer que a Trofa é uma terra de gente trabalhadora, e eu não poderia estar mais de acordo com essa premissa. Por esse motivo, seria desejável que todos os serviços públicos tivessem um horário de funcionamento que servisse a todos e não apenas alguns. E este, entendo eu, é um daqueles casos que merece ser revisto por quem de direito. Toda esta problemática traz-me imediatamente à cabeça as reuniões camarárias abertas ao público, que apesar de o ser é como se não fossem, ou não se realizassem elas a meio da manhã, quando a esmagadora maioria dos trofenses está a trabalhar. A menos que estejamos desempregados ou reformados, ou que integremos o tal lote de pessoas que nada fazem da vida. De outra forma é preciso trabalhar, que as contas não se pagam sozinhas, e se realmente nos quisessem lá, com certeza que o horário seria outro.

João Mendes

Radicalmente contra todas as formas de instrumentalização dos recursos públicos em função dos apetites partidários e com um apetite insaciável pela desconstrução de mentiras e outros embustes que nos são diariamente oferecidos pelas elites dirigentes, a minha luta é por um concelho da Trofa mais transparente, mais íntegro e no sentido da evolução contínua, onde o poder cuja função é servir-nos pode e deve ser questionado. Das pessoas para as pessoas, sem medo nem clientelas.

Comentários

Deixar um comentário

Faça Login para comentar.