A Máquina de Propaganda - Parte V: Coincidências

por João Mendes 0

Ao contrário daquilo que aconteceu em 2017, quando o centro de operações da coligação Unidos pela Trofa foi instalado na sede do PSD Trofa, beneficiando do bonito enquadramento e acessibilidade da mais recente obra pública local, uma obra fantástica, ainda que calendarizada ao melhor estilo eleitoralista, a máquina de campanha que elegeu Sérgio Humberto tinha a sua morada temporária no nº 352 da Rua Camilo Castelo Branco, junto à rotunda do Catulo. Ora, tentem lá adivinhar quem é que também instalou a sua sede na exacta mesma morada, poucas semanas após a vitória eleitoral da coligação. Se a resposta é Correio da Trofa, parabéns, acertaram em cheio!

Quando penso neste “detalhe”, a primeira coisa que me vem à cabeça é uma dúvida natural, uma dúvida que certamente não passaria despercebida ao saudoso Toninho, personagem de ficção sobre a qual aqui falei na minha última crónica. Pensem comigo: o Correio da Trofa foi criado pelas mesmas pessoas que fizeram a campanha da coligação, coligação essa que tinha sede no nº 352 da Rua Camilo Castelo Branco, endereço para o qual se mudou o Correio da Trofa, poucas semanas após o acto eleitoral. Será que alguma vez chegou a sair dali?

Não digo que não tenha sido parcialmente escrito ou pensado noutras localizações geográficas, até porque vivemos numa era tecnológica que nos permite trabalhar online, estejamos onde estivermos. Porém, dadas as circunstâncias, é legítimo questionar esta estranha coincidência. Porque não falamos de um jornal qualquer. Falamos de um jornal nascido no seio de uma campanha eleitoral, que fez marcação cerrada ao executivo de então, sempre no timing perfeito, com uma linha editorial absolutamente alinhada com o discurso oficial da campanha da coligação, estratégica e semanticamente, e que, ó coincidência das coincidências, se mudou de armas e bagagens para a exacta mesma morada onde até dias antes existia o mesmo centro de operações eleitorais que, entre outras coisas, deu à luz esse mesmo jornal. Serei eu o único a achar que já são coincidências a mais?

Coincidências à parte, olhemos a factos: a coligação Unidos pela Trofa contratou a empresa Comunicatessem para fazer a assessoria de comunicação da campanha de 2013, o que hoje em dia equivale mais ou menos a dizer que montou toda a estratégia de comunicação e propaganda eleitoral. No âmbito dessa estratégia, foi criado o Correio da Trofa, que até ser vendido tinha como proprietária a referida empresa de assessoria, o que significa que a equipa de assessoria e os jornalistas e editores do Correio da Trofa eram basicamente as mesmas pessoas. Consumada a vitória eleitoral, o jornal muda-se para o edifício no qual a empresa que o criou e a equipa de Sérgio Humberto delinearam a estratégia eleitoral. Meses depois, dezenas de milhares de euros dos cofres públicos da autarquia foram usados em ajustes directos que tiveram como prestadores de serviços alguns dos elementos que fizeram, em simultâneo, a campanha da coligação e os conteúdos do Correio da Trofa.

Contudo, nunca um representante da coligação assumiu pública e abertamente que o Correio da Trofa era parte integrante da sua estratégia eleitoral, estando, por conseguinte, ao seu serviço. O motivo, claro está, é óbvio demais: era preciso levar os trofenses a acreditar que se tratava de um jornal independente, e que, apenas e só por coincidência, surgia no mesmo momento em que a campanha arrancava. Resta a pergunta: porque é que Sérgio Humberto e restante liderança da campanha de 2013 optaram por iludir os trofenses e não assumiram a paternidade deste projecto editorial? Afinal de contas, quem não deve, não teme, não é mesmo?

(originalmente publicado na edição nº 665 do jornal O Notícias da Trofa, a 22 de Março de 2018)

João Mendes

Radicalmente contra todas as formas de instrumentalização dos recursos públicos em função dos apetites partidários e com um apetite insaciável pela desconstrução de mentiras e outros embustes que nos são diariamente oferecidos pelas elites dirigentes, a minha luta é por um concelho da Trofa mais transparente, mais íntegro e no sentido da evolução contínua, onde o poder cuja função é servir-nos pode e deve ser questionado. Das pessoas para as pessoas, sem medo nem clientelas.

Comentários

Deixar um comentário

Faça Login para comentar.